Acesse aqui: Plataforma Logística | Internet Banking Logística | Rede Credenciada

Transporte Rodoviário de Cargas: Empresas e setores que o movimentam

Transporte Rodoviário de Cargas

O Transporte Rodoviário de Cargas (TRC) é todo transporte feito através de estradas, ruas ou avenidas, seja de insumos, animais, pessoas, etc.

Como o Brasil é um país continental com milhões de habitantes vivendo nos quatro cantos, a implementação de vias pavimentadas para transportar todo o tipo de coisa acaba sendo o caminho com a melhor relação entre custo e benefício.

Por isso, hoje o Transporte Rodoviário de Cargas ocupa um lugar especial na economia brasileira. E para além disso, no impacto direto na qualidade de vida do nosso povo, na geração de emprego direto e indireto para milhares de trabalhadores, dentre outros pontos.

O Transporte Rodoviário de Cargas no Brasil

Como dissemos acima, nosso país depende muito do Transporte Rodoviário de Cargas para se movimentar. São quase 80 mil quilômetros de estrada e ruas! Sabia que é possível dar a volta na Terra 2 vezes com esse tamanho? É muita estrada…

Afinal, é necessário entregar comida fresca, combustível, roupas e outros insumos para toda a população, desde quem vive e trabalha nos grandes centros urbanos até quem está no interior.

Mas nem só de rodovias vive o Transporte Rodoviário de Cargas. São muitos setores, empresas e profissionais diversos que trabalham diariamente para que as rodas do Brasil não parem de girar. Cada um executando sua função, como um grande organismo vivo.

Tal qual uma máquina com suas engrenagens, quando uma peça deixa de funcionar, todas as outras irão sentir o impacto daquilo e a máquina vai eventualmente parar de funcionar.

É assim com o Transporte Rodoviário de Cargas. Mas nesse caso quem para de funcionar é o país inteiro.

Quais empresas são essas? Quem são as pessoas que trabalham com o Transporte Rodoviário de Cargas? Como suas ações impactam em cada etapa, desde a fabricação do produto até ele chegar ao destino final?

Quem são os atores que movimentam o Transporte Rodoviário de Cargas?

São muitos os personagens desta saga. Desde o próprio caminhoneiro que vive sua rotina na boleia, até o órgão máximo regulamentador. Mas no meio desse caminho ainda existem outras figuras essenciais, como o mecânico de estrada, o posto de combustível, estabelecimentos de descanso, escritórios de apoio ao comércio, os sindicatos, dentre outros.

Vamos falar sobre cada um deles?

Órgão regulamentador

Pode ser a nível local, regional ou nacional. Mas sua função essencialmente é a mesma: garantir a segurança e a regulação das vias. Você sabia que só de caminhão, são mais de 13 milhões de veículos que percorrem as estradas?

A ANTT (Agência Nacional de Transporte Terrestre) é o órgão a nível nacional responsável por esta promoção.

Embarcadores e transportadoras

São as empresas envolvidas no Transporte Rodoviário de Cargas. Embarcador é o dono da mercadoria que precisa ser transportada de um ponto A a um ponto B e, para executar tal tarefa com segurança, depende de um transportador. Que neste caso pode ser uma empresa ou profissional autônomo.

É necessário que um embarcador, antes de optar pelo perfil de profissional que irá fazer o deslocamento da sua carga, tenha clareza do que se adequa melhor às suas necessidades de contratação.

Postos de combustível e estabelecimentos de rodovia

A vida de quem percorre diariamente a estrada não seria nada fácil sem estas empresas.

Todos os estabelecimentos de estrada no geral puderam ser criados graças à movimentação de veículos por ali. Estas empresas dependem de um fluxo alto cotidiano de pessoas que percorrem as estradas para levar produtos e serviços, Brasil afora.

E sabemos bem que a vida do caminhoneiro não é nada fácil. Ter a tranquilidade para abastecer em um local seguro, relaxar durante seu tempo de descanso, se alimentar bem e cuidar da sua saúde durante o dia a dia na boleia são essenciais para ajudar este profissional a se manter são.

Além disso, são esses estabelecimentos que garantem a saúde mecânica dos veículos, definindo muitas vezes parcerias comerciais com as próprias transportadoras.

Escritórios de apoio

Para as rodas girarem, é preciso ir além do que está na rodovia.

Os escritórios de apoio podem ser de áreas diversas, mas normalmente englobam suporte jurídico, financeiro, marketing, publicidade e recursos humanos. São profissionais que costumam estar ligados diretamente com outras empresas ou pessoas jurídicas, como os embarcadores, as transportadoras ou os estabelecimentos de estrada.

Para cada gestor que tem em uma empresa, existe uma rede de preocupação, suporte e melhoria focada nos profissionais que ele atende. Muitas vezes, são os escritórios de apoio que facilitam o trabalho deste gestor, permitindo que todo o fluxo corra dentro das melhores práticas de mercado, além de garantir o cumprimento da lei.

Sindicatos

Outra peça fundamental para fornecer apoio às empresas e trabalhadores com informação, palestras, consultoria jurídica e entre outros serviços é o sindicato.

Por exemplo, no caso das empresas de transporte de cargas pesadas e excepcionais, o SINDIPESA e o sindicato responsável a nível nacional.

O que as empresas que movimentam o Transporte Rodoviário de Cargas fazem?

Cada tipo de organização é responsável por uma parte do processo para que tudo corra conforme o esperado. Para além da entrega de uma carga ao destino final, é necessário olhar para todas as pessoas que dependem direta e indiretamente dessa movimentação, tanto social quanto econômica, proporcionada pelo Transporte Rodoviário de Cargas.

No geral, 60% dos produtos que produzimos no nosso país dependem do Transporte Rodoviário de Cargas para serem escoados, tanto para dentro do Brasil quanto para exportações.

Dentre todos, os setores que mais movimentam o Transporte Rodoviário de Cargas são: agropecuária, indústria, comércio e prestação de serviços.

E não é sem importância que estes são, também, os maiores setores no Brasil inteiro.

Conseguimos sentir o peso e importância que o Transporte Rodoviário de Cargas tem, né?

São muitas as mercadorias e insumos essenciais circulando pelas estradas e movimentadas a partir desses setores, alguns deles são:

  • Frigoríficos;
  • Cargas granel;
  • Cargas vivas;
  • Cargas secas;
  • Cargas da saúde, entre outros.

Além do escoamento destes insumos, o crescimento do e-commerce também tem proporcionado maior crescimento da vida nas estradas, já que são milhares de pessoas que dependem desse transporte para receber uma encomenda em casa, por exemplo.

Grande parte dessa expansão aconteceu durante a pandemia do Covid-19, com o isolamento social e a necessidade de fazer compras online.

Esse movimento representa uma responsabilidade imensa para todas as empresas envolvidas no processo. Uma vez que sua demanda, também aumenta sua responsabilidade na garantia de um serviço e produtos seguros e de qualidade.

Consideradas atividades essenciais para a população, as áreas de saúde humana, saúde animal, higienização e alimentos não pararam durante a pandemia e registraram um aumento de demanda do Transporte Rodoviário de Cargas durante esse período.

Esse aumento exige que as empresas façam adaptações em sua operação, além de remanejar equipes e fazer contratações para dar conta das áreas com demandas mais aquecidas.

De acordo com o Índice da “Movimentação de Cargas do Brasil”, feito pela AT&M, de janeiro a abril de 2021 foi registrado uma alta de 29% no fluxo de cargas pelas rodovias com relação ao mesmo período de 2020.

Contribuição do Transporte Rodoviário de Cargas para o PIB

Já conseguimos entender que o Transporte Rodoviário de Cargas tem um papel fundamental para a economia brasileira. Mas como ele impacta o PIB de fato? E, a propósito, o que é PIB?

Vem com a gente entender esses pontos e como uma coisa se relaciona com a outra.

O que é o PIB?

É a sigla para Produto Interno Bruto, o PIB nada mais é do que a soma de todos os bens e serviços produzidos em uma economia durante um período de tempo. É a partir dele que é avaliado se a economia está crescendo e também a melhora do padrão de vida.

Sua taxa normalmente é calculada considerando tudo o que foi produzido no país, e é assim que se encontra o PIB do Brasil, mas também é possível fazer essa análise olhando setor por setor.

O PIB do Transporte Rodoviário de Cargas

Por agregar cerca de 65% de toda a carga entregue no país, o mesmo diante de alguns desafios gerados por momentos de crise e até mesmo greves, o setor continua em expansão.

De acordo com a Confederação Nacional do Transporte (CNT), o Produto Interno Bruto do Transporte Rodoviário de Cargas cresceu 3,6% em quantidade de serviços no primeiro trimestre de 2021. 

Impactos no PIB do Transporte Rodoviário de Cargas e geração de empregos

Esse aumento relatado em 2021 também é um reflexo da movimentação que o modal obteve desde o início da pandemia do Covid-19, cuja crise começou em março de 2020.

A greve dos caminhoneiros que paralisou o Brasil em 2018 também foi um evento importante que impacta diretamente nos resultados econômicos. 

Ela atingiu fortemente a distribuição de alimentos, produtos e serviços, além de trazer um prejuízo considerável a diversos setores. De acordo com o Ministério da Fazenda, a paralisação de 11 dias gerou um prejuízo de R$ 15,9 bilhões para a economia.

Apesar dos obstáculos, o setor de logística e transporte rodoviário é um dos que mais gera empregos no Brasil. A Confederação Nacional do Transporte (CNT) nos mostra que este é o setor que mais contratou do que demitiu em 2020.

De acordo com este mesmo levantamento, em 2020 foram abertos cerca de 467.666 postos de trabalho contra 415.783 desligamentos, gerando um saldo positivo de 51.883 empregos.

Contribuição do Transporte Rodoviário de Cargas para o Brasil

Embora haja outros meios de transporte no Brasil, como o ferroviário, hidroviário e aéreo, o rodoviário ainda é o mais demandado. O caos que vivemos com a paralisação dos caminhoneiros em 2018 evidencia essa necessidade.

Sem o transporte rodoviário outros meios inclusive não funcionam. Sem ele os aeroportos seriam fechados por falta de combustível e o transporte público também pararia pela mesma falta.

Com uma possível estagnação devido à alta prevista para a inflação em 2022, o país se encontra em um período econômico difícil. Contudo, o cenário para o Transporte Rodoviário de Cargas ainda é otimista para este ano.

Com o crescimento do PIB no transporte de 3,6% no primeiro trimestre de 2021 e a alta do agronegócio, a tendência é que esse setor continue aumentando o volume de demandas em 2022.

Outro fator que também contribuiu para o aumento de demanda foi a revolução mercadológica estimulada pela pandemia do novo coronavírus, que obrigou empresas a se reinventarem para poder manter suas atividades e atender ao novo perfil de compra dos consumidores isolados.

Para encontrarmos uma variedade de mercadorias, verduras, legumes e frutas frescas, medicamentos nas farmácias, roupas, calçados e até mesmo um bom atendimento em um hospital devidamente abastecido, tudo isso depende do Transporte Rodoviário de Cargas.

Nessas horas é importante ressaltar o cuidado com aqueles que estão na linha de frente, garantindo que a população tenha acesso a itens essenciais, os caminhoneiros.

É necessário falar sobre a segurança e saúde dos nossos heróis das estradas, mas não somente falar, precisamos agir. É preciso garantir que eles tenham boas condições de trabalho de direito, assegurados.

E essa não é uma responsabilidade apenas de embarcadores e transportadoras, mas de todos os profissionais que lidam direta ou indiretamente com o Transporte Rodoviário de Cargas, todos os dias.

Inscreva-se para acompanhar nossas novidades!

Quem leu esse artigo também gostou de:

Target Bank

SAC Caminhoneiros

(21) 3030-9100
Capitais

0800-282-22-12
Demais localidades

SAC Contratante

(21) 3500-5111

  • Av. Embaixador Abelardo Bueno, 1111, Barra da Tijuca, Rio de Janeiro, RJ, 22775-039
  • Canal de Ética
  • Código de Ética
  • Política de Privacidade
  • CIOT Gratuito
  • Rendimento CIOT

O Target Bank não realiza qualquer atividade privativa de instituições financeiras, como financiamentos e/ou empréstimos. Essas operações são realizadas por meio de agentes bancarizadores parceiros que são devidamente autorizados pelo Banco Central do Brasil (Bacen) a atuarem como credores em favor de terceiros.

Informações complementares referentes ao Empréstimo: valor mínimo R$1.000,00 e máximo de R$2.000.000,00. Prazo de pagamento de 1 a 60 meses. Taxa de juros pode variar de 1,29% a.m. a 4,50% a.m. Antes de contratar sua linha de crédito, consulte custo efetivo total, as taxas de juros, tributos, tarifas, pagamentos a terceiros, seguros e demais condições específicas.
Exemplo: Empréstimo de R$190.000,00 para pagar em 30 dias, com juros de 1,59% a.m., CET de 28,3783% ao ano, índice de correção monetária: prefixado, juros de R$3.036,27, IOF de $960,53 e total a pagar de R$193.996,80.”